TREKKING PERU PARTE II.


Já em Cusco começamos planejar nossa nossa ida a Rainbow Mountain, após muita conversa fechamos um pacote que incluía Machu Picchu, também chamada "cidade perdida dos Incas", com outra vantagem não pagaríamos hospedagem o tempo que ficássemos fora é fomos aconselhados a fazer primeiro Machu Picchu. 

Então fomos fazer algumas caminhadas para aclimatizar, começando por preparar um chá de folha de coca, cujo uso é muito popular na região andina da Bolívia, Peru, Chile, Colômbia e Equador.
A folha da coca é medicinal e reconhecida, como tal, pelas culturas ancestrais dos povos da região onde é nativa afinal, sempre foi considerada uma planta sagrada da cultura inca.
A coca, Erythroxylum coca, é um arbusto nativo das regiões do altiplano latino-americano que cresce na meia-sombra da mata até atingir os 1,8 m de altura. As folhas de coca são colhidas quando começam a enrolar, vendidas em sacolinhas, caramelos, bombons ....nos mercados populares, e fazem parte da dieta de todo aquele que se aventura pelas alturas andinas, sejam nativos ou turistas, já que mascadas ou em chá, são indispensáveis para que se possa aguentar os efeitos do ar rarefeito.




Começamos com uma visita ao O Mercado Central de San Pedro, onde se encontra de tudo e de todas as cores.



Caminhar pelas ruas estreitas e calçadas com pedras em meio a construções do Império Inca.



Um registro com as chola (mulheres com trajes típicos de Cusco) com suas lhamas.


Na Praça dar Armas o local que ainda mantém a cidade moderna e que era também a praça principal durante o império inca e que se encontrava rodeada dos palácios dos soberanos incas. No lado norte iniciou-se a construção da Catedral. Pizarro outorgou a Cusco a denominação "Cusco, Cidade Nobre e Grande" em 23 de março de 1534.



Pedra dos doze Ângulos.
Boa parte da cidade é formada de muros Incas abaixo das construções espanholas. Muito do charme da cidade vem dessas construções. Os Incas trabalhavam com as pedras de maneira impressionante, com cada uma delas sendo cortada em diversos ângulos diferentes, e ainda assim conseguindo encaixes perfeitos umas com as outras, e sem nenhum tipo de argamassa.
Essas construções foram tão bem feitas que permaneceram firmes durante mais de 500 anos, enfrentando terremotos inclusive. Apesar dos diversos estudos, até hoje não se sabe exatamente qual a técnica utilizada pelo povo inca para cortar essas pedras.
Alguns dizem que o o corte era realizado usando pedras mais duras. Outros sustentam que os Incas teriam usado ferramentas a base de minérios de ferro ou até mesmo diamantes. Alguns estudiosos afirmam que os Incas poderiam fazer uso de alguma substância química que “amolecia” as pedras e facilitava o corte.
Em volta de todo esse mistério é que a famosa pedra dos 12 ângulos ganha seu destaque. Com todos os seus 12 ângulos se encaixando perfeitamente com as outras pedras, ela representa ao máximo a perfeição da técnica Inca. E por isso virou uma das principais atrações de Cusco.

Suguimos rumo ao Cristo Blanco ou mirante de Cusco.
 A estátua de 8 metros de altura, foi presente da colônia palestina ao município peruano. 
O Cristo Blanco fica no alto do Cerro Pukamoqo (em quíchua significa: morro vermelho) excelente mirante do Centro Histórico de Cusco, Peru




O milho gigante, é um almoço.



Além da estátua do Cristo, há um mirante onde é possível ver a cidade de Cusco e alguns pontos turísticos como o Templo do Sol (Qorikancha) e a Plaza de Armas. Vale a pena a ida até lá! 


Um Trekking pelas Trilhas Incas.





Hora de retornar pois teríamos que nos organizar para seguir rumo a Machu Picchu.



0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado! Aguardo comentário.