Uma longa trajetória.

Imagem
  Em 1977, comecei a treinar Judô, na Academia Tang Soo Do Center, com os professores Mike, Tetsuo e Tikara, localizada na rua Ramos Ferreira, hoje funciona o Fórum Trabalhista de Manaus, onde sou Servidor Público. O tempo foi passando , uma época onde brigas eram constantes, um dia em uma lanchonete conheci o Aly Almeida, que me fez um convite pra treinar no Olímpico Clube, apesar de não ser bem visto pela maioria dos alunos, aceitei. Lembro o primeiro dia de treino de uma lado COG-CENTRO OLÍMPICO DE GINASTICA, do outro lado a academia de JIU-JITSU, apesar de vim do Judô tudo era novidade, primeiro por ter que encarar algumas feras que ali treinavam, Alfredo Jacauna, Luiz Alberto, Bidida, Gula, Casio Façanha, Paulinho peixe, Nilberto, Galdino e tantos outros. O tempo foi passando , Fiz parte da primeira turma de (PARAQUEDISTAS DO OLÍMPICO CLUBE). O tempo foi passando , fui treinar na academia do professor Luiz Fonseca no Conjunto Débora, uma época difícil, porem a vontade de trein

Pedra da BELA ADORMECIDA-São Gabriel da Cachoeira-Am

Navegando sobre o Rio Negro, passando por paisagens belíssimas rumo a São Gabriel da Cachoeira encontra-se está cadeia de montanhas.
Em frente a cidade pode-se observar a cadeia de montanhas que agora tem o formato de uma mulher deitada. É o monumento natural da cidade, o sono da bela adormecida. Na mitologia tradicional, durante o período em que o mundo estava em transformação, um ser sagrado andarilho chamado Basebó ensinava todos os povos a plantar e trabalhar. Conhecedor da sabedoria de Basebó, e sabendo que o mesmo passaria próximo de sua morada, o índio Wariró pediu que suas duas filhas esperassem a sua passagem e o seduzissem até sua maloca, lugar onde havia escassez de alimento e as frutas do mato tinham pouco sabor.

Vendo a beleza das índias Basebó as seguiu, chegando à maloca, viu a situação dos Wariroá e os ensinou o cultivo da roça e como fazer vários alimentos a partir da mandioca. Feliz com a fartura de alimentos, Wariró propôs a Basebó suas duas filhas em casamento, a oferta foi aceita e Basebó ficou morando ali o resto de sua vida.

A explicação da presença das montanhas no local, segundo a mitologia Desana – pronuncia-se dessana – carrega uma sintonia com o olhar admirado do turista contemporâneo, segundo um pajé da etnia, Feliciano Lana, a Serra de Curicuriari é o retrato de uma das filhas de Wariró. Uma origem essencialmente indígena, embora o nome popularizado faça uma referência ao conto de fadas globalizado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De MANAUS para MANACAPURU.

Uma longa trajetória.

ENERGÉTICO NATURAL.

"Os Passos de Anchieta" 100 quilômetros entre Anchieta e Vitória.

RECEITA DA VOVÓ, remédios caseiros.