TREKKING BOLÍVIA-Com pé de Inca.


“Você acredita que vai fazer uma aventura, mas em seguida a aventura é quem te faz, ou te desfaz”.

Saindo de Manaus em um voo de 2:30 horas com uma parada em Porto Velho-RO, até Rio Branco-AC, o começo de uma grande aventura.


 A chegada em Cobija foi a noite uma parada pra janta e rever a rota.


 Cobija é uma cidade da Bolívia, capital do departamento de Pando e da província de Nicolás Suárez. Está situada a beira do Rio Acre na fronteira com o Brasil, tendo Brasiléia e Epitaciolândia como vizinhos, a uma altitude de 235 metros acima do nível do mar com um clima tropical e chuvoso. 
 Cobija tinha dois aeroportos (um deles em funcionamento ainda o Heroes del Acre, com pista asfaltada de 2.000 metros) e está conectada através de uma estrada com a cidade de El Choro no departamento do Beni, a qual as vezes não é transitável no período das chuvas.
Com preços em conta, mas de origem questionável, devido a pirataria de marcas oficiais, mas sendo possível encontrar produtos originais.

Por questão de tempo a opção e pegar um voo para La Paz, empresa ECOJET, pode comprar a passagem no aeroporto, 1 hora de voo. Em média 230,00 reais ( 1 real =2,20 Bolivianos), não pode esquecer de carimbar o passaporte na Polícia Federal antes de seguir para Bolívia, no acesso a fronteira tem que preencher a ficha de entrada de posse do passaporte e da carteira Internacional de Vacinação.




No caminho um fato me chamou atenção, as pessoas com um lado do rosto como se estivesse inchado, sera que dor de dente pega? descobri que se tratava de folha de coca.
 A folha de coca é um remédio, um estimulante, um punhado de cultura. Os bolivianos enchem a boca para falar dessa plantinha,  os camponeses por hábitos familiares, os atletas pela energia, e os turistas para amenizar os sintomas da altitude. 
É muito comum os visitantes serem recebidos  com chás de coca, pois a diferença brusca da altitude pode acarretar em tonturas e vertigens, e a coca diminui essas sensações. Diferente do que muita gente imagina, a folha da coca não faz mal algum.
Para mascar, pega-se uma punhado da planta e se coloca na boca. Não se mastiga a folha, deixa-se ela na bochecha até umedecer, pressionando com a língua para extrair os nutrientes. 


Uma das coisas que me fascina e poder conhecer pessoas de cultura e modos tão diferentes e que com o pouco que tem fazem questão de dividir.



Hora do almoço, repor as energias para seguir rumo a Tupiza.




O Trekking um esporte que proporciona o prazer de conviver e desfrutar da natureza.


Tupiza é uma cidade da Bolívia capital da província de Sul Chichas departamento de Potosí.
Está situada a 256 km de Potosí, 323 km de Tarija e 96 km de Villazón (fronteira com a Argentina.
Tupiza fica no sul da Bolívia, fora das maiores rotas turísticas deste país andino.




Seu vale verde e fértil, encaixado a quase 3.000 metros de altitude entre montanhas vermelhas e secas.

Os “falos” do Valle de los Machos.




Saindo um pouco de Tupiza pode-se alugar um cavalo com o guia e descobrir mais destas belezas e de sua paisagem alaranjado.
Ao fundo a gigantesca lâmina de pedra da Puente del Diablo.

Floresta de Pedra.








Hora de seguir rumo a Potosi.
Potosi, que fica na Cordilheira dos Andes a 4.000 metros de altitude, o que faz dela uma das mais altas cidades do mundo.
Potosi é protagonista de um episódio marcante na história da América Latina. Por causa de sua trajetória de riqueza e tragédia, foi retratada no famoso romance As veias abertas da América Latina, do escritor uruguaio Eduardo Galeano. Fundada em 1545 logo após a descoberta de imensas jazidas de prata, sua história se confunde com a exploração massiva desse metal pelos colonizadores espanhóis. Estima-se que até 8 milhões de pessoas - escravos indígenas e africanos, tenham morrido devido aos trabalhos forçados nas minas de prata. Durante os tempos em que o metal parecia inesgotável, Potosi viveu momentos de esplendor.


O mercado de Potosi é o que se espera de um mercado da Bolívia:  vende-se de tudo um pouco, incluindo batatas de várias formas e feitios, e também grandes sacos de folha de coca. 

Praça Homenagem ao Raly Dakar.

Chega a hora de deixar Potosi e meus amigos e seguir rumo a Uyuni.


A Aventura continua rumo ao Salar de Uyuni.

     
O Salar de Uyuni. Com mais de 10.500 km², e estimados 10 bilhões de toneladas de sal, o salar é o maior deserto de sal do mundo.



O cemitério de trens. Nesse local, encontra-se diversas locomotivas abandonadas e oxidadas pelo tempo. Eram locomotivas utilizadas no transporte de minério até a costa do pacífico, no início do século XX. Com a segunda guerra e o declínio do comércio, os trens foram abandonados no meio do deserto, criando um “cemitério”.

Monumento Dakar Uyuni.




O monumento com bandeiras de vários países fincadas em uma estrela de sal. Encontrei a  bandeira do Brasil!



Uma parada no primeiro hotel de sal (hoje fechado).
 

Isla del Pescado, uma ilha no meio do deserto de sal com cactos gigantes que chegam a 10 metros de altura. É realmente impressionante! O nome da ilha vem do formato de peixe de seu reflexo no espelho d’água que se forma no período de chuvas (entre dezembro e março). 



Saindo de Uyuni rumo a La Paz, 07 hora de ônibus, nada perto do que iria enfrentar...
A cidade de La Paz fica a cerca 3.600 metros acima do nível do mar em um vale cercado de montanhas nevadas que fazem parte da Cordilheira Real dos Andes. A cidade tem um clima frio e seco durante praticamente todo o ano.
Praticamente, todo turista que chega a La Paz sente os efeitos da altitude, como cansaço, tontura, falta de ar, náuseas, má digestão e dores de cabeça. Esses sintomas são popularmente conhecidos nas comunidades andinas como “soroche“, ou “mal da altitude”, e se devem à baixa quantidade de oxigênio que existe no ar quando estamos em grandes altitudes, ocorrendo geralmente acima dos 2400 metros sobre o nível do mar.

Meu carro de cabo, também chamado de Gondola La Paz - El Alto, é o sistema de teleférico aéreo , que liga as cidades de La Paz e El Alto (Bolívia)  iniciou suas operações em 30  de maio de 2014 . É o teleférico mais longo do mundo Transporte Urbano.(AMARELO).

O Maior mercado de venda de folha de coca na Bolívia.
De La Paz para Cobija, a placa dizia SALE A COBIJA, e ao lado a placa branca estava escrito NÃO SABE SE CHEGA, dava para imaginar que os três dias seriam outra grande aventura.
Descobrir que o ônibus era de carga, e abarrotado de sacas de folha de coca.

 O encontro entre a tecnologia e o rústico, vai enfrentar a BR 319.

Atravessando a primeira Balsa.


Atravessando a segunda balsa rumo a Carreteira Beni.
Todos com dor de dente kkkkkkkk.
Após seis dias sem tomar banho, só muita água para tirar toda a sujeira.

E ainda teve um companheiro de viagem.
Amigos com esta foto, termino a aventura, foram dez dias de Trekking pela Bolivia,  grandes as dificuldades, o cansaço as superações, os amigos que encontrei agradeço o carinho e o incentivo, pessoas que como costumo dizer nunca mais verei, mas com certeza irei guardar para sempre na lembrança, as lições de vida. A Deus naquelas horas que pensei não vai dá, a minha família pela torcida e preocupação, foram cinco dias sem noticias.
Aos meus amigos que de alguma forma contribuem, não só financeiramente mas incentivando o Coyote nestas aventuras.
Aqueles que acessam o Blog. Fica o meu abraço e gratidão a todos.
“Você acredita que vai fazer uma aventura, mas em seguida a aventura é quem te faz, ou te desfaz”.