Ollantaytambo/Peru.

Ollantaytambo ou Ullantaytanpu  é uma obra monumental da arquitetura incaica.
É a única cidade da era inca no Peru ainda habitada.
 Atualmente é um povoado, capital do Distrito de Ollantaytambo (Província de Urubamba), situado na parte sul a cerca de 90 km a noroeste da cidade de Cuzco. 
É um dos pontos de partida do caminho a MACHU PICCHU.
Esta cidade constituiu um complexo militar, religioso, administrativo e agrícola.
 A entrada é feita pela porta chamada Punku-punku.




O tipo arquitetônico empregado, assim como a qualidade de cada pedra, trabalhada individualmente, fazem de Ollantaytambo uma das obras de arte mais peculiares e surpreendentes que realizaram os antigos peruanos.



 Algumas das rochas utilizadas na construção são somente encontradas a alguns quilômetros da cidade, o que revela o domínio de técnicas avançadas de transporte de rochas. As pedras eram trabalhadas antes de serem transportadas.

Uma das montanhas que cercam a cidade mostra formações rochosas que lembram a metade de um rosto, aparentando com um rei de barba e coroa.

O rosto apareceu após de um terremoto que aconteceu no século XX.


  Ao lado do rosto existe um silo de alimentos, que muitas das vezes é confundido com uma prisão.


 A localização do silo foi muito bem planejada, mesmo em dias de sol intenso, o vento forte que bate na montanha mantém o local bem fresco, favorecendo a conservação dos alimentos.


É um dos complexos arquitetônicos mais monumentais do antigo Império Inca. 
Apesar de chamarem o lugar de “fortaleza”, ele serviu mesmo como cidade-alojamento.












DE RIO BRANCO PARA CUSCO-PERU.

No Aeroporto em Rio Branco hora de tomar um café e seguir rumo a Cusco.

Estrada do Pacífico, também conhecida como Rodovia Interoceânica é uma estrada binacional que liga o noroeste do Brasil ao litoral sul do Peru, através do estado brasileiro do Acre. A parte da Estrada do Pacífico que fica dentro do território brasileiro é identificada como BR-317 enquanto no Peru é chamada apenas de Carretera Interoceanica.









Em Puerto Maldonado  uma cidade do Peru, capital do departamento Madre de Dios e da província de Tambopata. 



Um dos destinos mais procurados no Peru é  Cusco, situada a 3400 m acima do nível do mar, repleta de construções históricas, museus, enigmas incas e sua cultura andina.
Cusco é a porta de entrada para conhecer Machu Picchu.

Mirante do Cristo Branco Cusco - Peru

Cusco foi presenteada pela colônia palestina com a estátua do Cristo Branco. 
A obra foi uma iniciativa dos palestinos Manuel Jasaui Facuse e de seu irmão, Federico Jasaui Facuse, e recebeu o apoio de outros membros da colônia árabe. Os irmãos eram comerciantes de seda e para agradecer a cidade de Cusco por seu êxito, antes de deixá-la decidiram construir a estátua, uma cópia do Cristo Redentor carioca.

A estátua foi erguida em 1945 pelo escultor cusquenho Ernesto Olazo Allende e está localizada na região de Sacsayhuaman, rodeada de ruínas. Com oito metros de altura, foi construída em granito e coberta com gesso e mármore.  



Além da estátua do Cristo, há um mirante onde é possível ver a cidade de Cusco e alguns pontos turísticos como o Templo do Sol (Qorikancha) e a Plaza de Armas.











A Plaza de Armas em Cusco. 
Essa enorme praça da cidade é circundada por lojas, restaurantes e antigas igrejas. 
Há mais de 500 anos, a praça tem sido o centro da vida urbana local. 
Atualmente, o local é palco de vários eventos, como concertos e festivais, e procissões religiosas. 

Durante o Império Inca, a praça era conhecida como "Huacaypata" (ou Praça dos Guerreiros) e se estendia até a Plaza del Regocijo ao lado. O local era usado para cerimônias e desfiles militares ou comemorações de batalhas vitoriosas. A Plaza de Armas também testemunhou eventos históricos, como a execução de Túpac Amaru II, que liderou uma rebelião fracassada contra os espanhóis em 1780.




Trekking Tepuy e a visita da Cruviana.

Trekking Tepuy Chirikayen, foi uma grande aventura, com o tempo curto nosso meta era chegar ao topo deste Tepuy e o que não faltou foi determinação e união para alcançarmos este objetivo.

Coyote, Jorge e Silas saímos da comunidade de Chirikayen, nosso meta era caminhar até o acampamento base.




Uma para para o lanche.


Nossa meta na manhã seguinte era a ascensão ao Tepuy.


A chegada ao Acampamento onde tem uma bela cachoeira.





O Coyote com a barraca montada de olho no Tepuy.


Hora de fazer o almoço/jantar.




Receita do coyote: Farinha, Carne Seca e Tucumã.

A fogueira preparada pelo Ex-EB, Silas pra fazer nossa comida.





A primeira visita da noite.


A segunda visita:

Cruviana

Deusa do vento para algumas tribos indígenas. 

Segundo a lenda, durante as noites a linda deusa do vento se transforma em brisa e seduz os forasteiros durante o sono. Na manhã do dia seguinte, os viajantes acordam encantados e apaixonados pela terra  de onde nunca mais vão embora.
Com o passar do tempo a palavra se tornou sinônimo de vento frio, que causa arrepios.

Um colega ela não gostou, pois só faltou jogalo para fora da rede, já o outro ela o envolveu fazendo com que o mesmo rodopiasse feito um redemoinho na rede.


 Já recuperados seguimos nosso caminho.




Jorge fazendo uma MARIOLA lascas de pedras colocadas no chão para indicar uma trilha. 




Chega ao fim esta grande aventura, valeu Jorge e Silas.