Uma longa trajetória.

Imagem
  Em 1977, comecei a treinar Judô, na Academia Tang Soo Do Center, com os professores Mike, Tetsuo e Tikara, localizada na rua Ramos Ferreira, hoje funciona o Fórum Trabalhista de Manaus, onde sou Servidor Público. O tempo foi passando , uma época onde brigas eram constantes, um dia em uma lanchonete conheci o Aly Almeida, que me fez um convite pra treinar no Olímpico Clube, apesar de não ser bem visto pela maioria dos alunos, aceitei. Lembro o primeiro dia de treino de uma lado COG-CENTRO OLÍMPICO DE GINASTICA, do outro lado a academia de JIU-JITSU, apesar de vim do Judô tudo era novidade, primeiro por ter que encarar algumas feras que ali treinavam, Alfredo Jacauna, Luiz Alberto, Bidida, Gula, Casio Façanha, Paulinho peixe, Nilberto, Galdino e tantos outros. O tempo foi passando , Fiz parte da primeira turma de (PARAQUEDISTAS DO OLÍMPICO CLUBE). O tempo foi passando , fui treinar na academia do professor Luiz Fonseca no Conjunto Débora, uma época difícil, porem a vontade de trein

Trekking Tepuy e a visita da Cruviana.

Trekking Tepuy Chirikayen, foi uma grande aventura, com o tempo curto nosso meta era chegar ao topo deste Tepuy e o que não faltou foi determinação e união para alcançarmos este objetivo.

Coyote, Jorge e Silas saímos da comunidade de Chirikayen, nosso meta era caminhar até o acampamento base.




Uma para para o lanche.


Nossa meta na manhã seguinte era a ascensão ao Tepuy.


A chegada ao Acampamento onde tem uma bela cachoeira.





O Coyote com a barraca montada de olho no Tepuy.


Hora de fazer o almoço/jantar.




Receita do coyote: Farinha, Carne Seca e Tucumã.

A fogueira preparada pelo Ex-EB, Silas pra fazer nossa comida.





A primeira visita da noite.


A segunda visita:

Cruviana

Deusa do vento para algumas tribos indígenas. 

Segundo a lenda, durante as noites a linda deusa do vento se transforma em brisa e seduz os forasteiros durante o sono. Na manhã do dia seguinte, os viajantes acordam encantados e apaixonados pela terra  de onde nunca mais vão embora.
Com o passar do tempo a palavra se tornou sinônimo de vento frio, que causa arrepios.

Um colega ela não gostou, pois só faltou jogalo para fora da rede, já o outro ela o envolveu fazendo com que o mesmo rodopiasse feito um redemoinho na rede.


 Já recuperados seguimos nosso caminho.




Jorge fazendo uma MARIOLA lascas de pedras colocadas no chão para indicar uma trilha. 




Chega ao fim esta grande aventura, valeu Jorge e Silas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

De MANAUS para MANACAPURU.

Uma longa trajetória.

ENERGÉTICO NATURAL.

"Os Passos de Anchieta" 100 quilômetros entre Anchieta e Vitória.

RECEITA DA VOVÓ, remédios caseiros.